quarta-feira, 26 de maio de 2010

XI Jornada de História Antiga

MEMÓRIA E IDENTIDADE NO MUNDO ANTIGO
XI Jornada de História Antiga
Reunião do GT - História Antiga (ANPUH/RS)

Data: 26 a 28 de maio de 2010
Local: Auditório do Colégio São José - Pelotas/RS

Promoção:
ICH-UFPel
CEAM-ICH-UFPEL
GT - História Antiga (ANPUH/RS)

Coordenadores:
Fábio Vergara Cerqueira – Diretor do Instituto de Ciências Humanas / UFPEL
Caterine Henriques Mendes – Coordenador do GTHA-RS-ANPUH

Secretaria e coordenação da comissão de apoio:
Katia Amorim Macedo

Informações pelo telefone 81352175 e 32845523.

Inscrições: no local, a partir das 18 horas, e na secretaria do ICH, no dia 25, a partir das 15 horas

APRESENTAÇÃO

Os estudos sobre o mundo antigo têm se caracterizado pela preocupação em acompanhar debates teóricos contemporâneos, fazendo cair por terra o preconceito de que estariam desconectados das questões atuais.
Nos últimos anos, a antiguidade tem sido vista e revista sob a influência de conceitos como globalização, diversidade, fronteira, etnicidade, memória e identidade.
A XI Jornada de História Antiga, realizada em 2009, conjuntamente ao I Encontro de Estudos Medievais, coordenado pela professora Rajene Jardim, iniciou um ciclo de debates sobre paradigmas pós-modernos. Após refletirmos sobre a diversidade cultural, na décima edição do evento, propomos agora, na XI Jornada de História Antiga, trazer ao público interpretações balizadas nos conceitos de memória e identidade, abordados por meio de várias interconexões conceituais e temáticas: deveres de memória; memória e procedimentos legais, memória e práticas funerárias, memória e arte; memória e história, memória e musas, retórica e história; memória, escrita da história e tradição; identidade e tradições culturais, identidade e divindades, memória e religiosidade, contatos entre identidades religiosas.
Ao apresentarmos o impacto destes conceitos sobre pesquisas de História antiga desenvolvidas no Rio Grande do Sul, esperamos contribuir para enriquecer este debate, por meio do qual a historiografia atual se apropria da perspectiva antropológica fomentada pelos conceitos de memória e identidade. Estes conceitos integram as áreas dos dois programas de mestrado em funcionamento no Instituto de Ciências Humanas, o Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural e o Mestrado em História, que tem como áreas de concentração Fronteiras e Identidade.
Começamos a ver que uma outra Antigüidade é possível, abandonando modelos interpretativos rígidos, empiristas e mecanicistas, em prol de uma epistemologia da diversidade e da fluidez das dinâmicas culturais e interações cotidianas, epistemologia em que memória e identidade desempenham papel crucial.

Fábio Vergara Cerqueira
Coordenador da XI Jornada de História Antiga
Caterine Henriques Mendes
Coordenadora do GT de História Antiga da ANPUHRS

0 comentários:

Postar um comentário