sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Os mais vendidos nas prateleiras

Em 2010, a História ganhou ainda mais espaço nas prateleiras das livrarias. Inclusive virtualmente. A "Livraria da Folha" anunciou que, dentre os dez livros de ciências humanas mais vendidos no ano passado, os nove primeiros colocados tratam de história e política.
Segue abaixo a lista:

1- "Honoráveis bandidos"

2- "O chefe"

3- "1822"

4- "A história secreta dos papas"

5- "Guia politicamente incorreto da história do Brasil"

6- "Hitler"

7- "Brasil: uma História"

8- "1808"

9- "Eleições 2.0"

10- "O narcotráfico"

Aproveitando as comemorações da Independência, “1822” foi lançado em setembro, e vendeu cem mil exemplares em apenas três dias. O livro do jornalista Laurentino Gomes também aparece mensalmente nos mais vendidos da "Revista de História da Biblioteca Nacional" – uma lista que começamos a publicar em Janeiro de 2010. As excelentes vendas e a polêmica em torno de “1822” ajudaram a manter o livro anterior de Laurentino, “1808” (publicado em 2007), em todos os rankings
Além disso, “1822” foi escolhido pelos leitores do jornal "O Globo" como o melhor lançamento de 2010. “Hitler”, o sexto lugar da "Livraria da Folha", que também consta em nossas listas de Mais Vendidos, está entre os dez favoritos do público.
Outras biografias também foram destaque no ano passado. No início de 2010, “Clarice,”, do americano Benjamin Moser, estava no topo das listas de todas as livrarias. Já no final do ano, foram duas autobiografias fizeram grande sucesso e até hoje não saíram dos nossos mais vendidos: a de Keith Richards (“Vida”) e a de Nelson Mandela (“Conversas que tive comigo”).
“Honoráveis Bandidos – Um retrato do Brasil na era Sarney”, o primeiro lugar da Livraria da Folha, chamou a atenção do país desde antes de sua publicação: diversas livrarias de São Luiz se recusaram a abrigar o lançamento do livro, com medo da reação da família Sarney. Foi também finalista do prêmio Jabuti de 2010 e, assim, marcou presença nos mais vendidos do ano.

“Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil”, de Leandro Narloch, e “Brasil: Uma História”, de Eduardo Bueno, também são sucesso absoluto nas listas da RHBN, assim como “Uma breve história do mundo”, de Geoffrey Blainey, e “Uma breve história do Brasil”, de Mary Del Priore e Renato Venâncio.

Fonte: Revista de História da Biblioteca Nacional
Disponível em: http://www.revistadehistoria.com.br/v2/home/?go=blog

0 comentários:

Postar um comentário