sábado, 27 de agosto de 2011

50 anos da Campanha da Legalidade

Em 1961, o Brasil vivia uma tumultuada conjuntura política. Após a renuncia de Jânio Quadros, João Goulart  que era o então vice-presidente do Brasil pela constituição deveria tomar posse na presidência. O que  era desejado por muitos segmentos militates que já tinham ensaiado um golpe de Estado, no episódio do suicídio de Getúlio Vargas e que naquele momento almejavam realiza-lo. Porém, o golpe não deflagrado graças a resistência promovida pelo então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola. Em 27 de Agosto Brizola faz o seguinte discurso:


"O Governo do Estado do Rio Grande do Sul cumpre o dever de assumir o papel que lhe cabe nesta hora grave da vida do País. Cumpre-nos reafirmar nossa inalterável posição ao lado da legalidade constitucional. Não pactuaremos com golpes ou violências contra a ordem constitucional e contra as liberdades públicas. Se o atual regime não satisfaz, em muitos de seus aspectos, desejamos é o seu aprimoramento e não sua supressão, o que representaria uma regressão e o obscurantismo.
A renúncia de Sua Excelência, o Presidente Jânio Quadros, veio surpreender a todos nós. A mensagem que Sua Excelência dirigiu ao povo brasileiro contém graves denúncias sobre pressões de grupos, inclusive do exterior, que indispensavelmente precisam ser esclarecidas. Uma Nação que preza a sua soberania não pode conformar-se passivamente com a renúncia do seu mais alto magistrado sem uma completa elucidação destes fatos. A comunicação do Sr. Ministro da Justiça apenas notifica o Governo do Estado da renúncia do Sr. Presidente da República.
Por motivo dos acontecimentos, como se propunha, o Governo deste Estado dirigiu-se à Sua Excelência, o Sr. Vice-Presidente da República, Dr. João Goulart, pedindo seu regresso urgente ao País, o que deverá ocorrer nas próximas horas.
O ambiente no Estado é de ordem. O Governo do Estado, atento a esta grave emergência, vem tomando todas as medidas de sua responsabilidade, mantendo-se, inclusive, em permanente contato e entendimento com as autoridades militares federais. O povo gaúcho tem imorredouras tradições de amor à pátria comum e de defesa dos direitos humanos. E seu Governo, instituído pelo voto popular - confiem os riograndenses e os nossos irmãos de todo o Brasil - não desmentirá estas tradições e saberá cumprir o seu dever."
Lauro Haggemann
Foto: Vozes do Rádio
FAMECOS/PUC-RS
Este discurso foi transmitido pela Rádio Guaíba, que foi encampada por Brizola para a transmissão da chamada "Cadeia da Legalidade" que foi composta além da Guaíba de Porto Alegre, por outras emissoras do restante do país como a Rádio  Difusora de São Paulo. As transmissões ocorreram nos porões do Palácio  Piratini, sede do Governo do Rio Grande do Sul. Brizola, então mobilizou a população pelo rádio.  Aproveitamos a oportunidade para homenagear Lauro Hagemann, jornalista e locutor do Repórter Esso no Rio Grande do Sul, que atuou de maneira brilhante naquele episódio. Locutor de grande talento e remome, Hagemann, em entrevista a FAMECOS da PUC no site "Vozes do Rádio",  relembra:

"(...)Eram todos partidários, ninguém chegava perto. Daí, me dei conta, eu vou lá, vou me apresentar para ler esse negócio porque eu sabia que a minha voz era conhecida, se de repente, aparecesse ali naquele noticiário, dava outra conotação ao processo e isso era a minha contribuição ao momento político que se vivia. Eu tive essa consciência. Fui lá, me apresentei, me abraçaram, perna, braço, cabeça, tudo. No instante em que eu pus o bico no microfone, os outros que andavam na mesma situação que eu, desguaritados, sem função nas suas emissoras, correram todos para o Palácio e aí se formou lá uma mini-estação de rádio, com tudo direitinho, passamos a funcionar. Ficamos lá enterrados no porão do Palácio durante todo esse processo. Foi de, não foi de 25 de agosto porque 25 de agosto foi o dia que o Jânio renunciou, mas a Cadeia da Legalidade começou dois dias depois, dia 27, e foi até 7 de setembro, com a posse do Jango na presidência da República. Então, durou uns dez dias, mais ou menos. Nesse período, a gente ficou lá, lendo todos os manifestos e fazendo tudo que tinha que ser feito. E foi, a partir daí, que a sociedade brasileira se deu conta de que ela tinha importância para resolver problemas políticos, que o Jango foi empossado, veio para cá, os radialistas contribuíram grandemente para este processo de conscientização, de arregimentação, de mobilização da sociedade. E foi aí que nós nos demos conta que nós tínhamos que ter uma entidade classista mais vigorosa, que nos reunisse com mais consistência. Aí, partimos para a idéia do sindicato. Tivemos facilidades porque já tinham havido várias reuniões anteriores e tinha sido registrada uma associação profissional que era a que dava início ao processo de sindicalização, desentocamos lá na Delegacia do Trabalho e fizemos uma direção provisória, depois transformou em sindicato, eu fui eleito presidente do sindicato quando eu fui cassado, em 69. Aí, num dia, eu perdi o mandato de deputado estadual que eu tinha sido eleito, perdi a presidência do Sindicato dos Radialistas, fui aposentado na Universidade. Olha, foi barba, cabelo e bigode, como se dizia. Mas nunca me acusaram de nenhum crime. Eu fui cassado por motivos ideológicos, políticos, só porque eu pensava diferente. É, claro, no sindicato a gente agia diferente, né? O sindicato foi um trampolim para a vida política. Eu costumo dizer que a minha vertente política é dupla, é estudantil e sindical. Muito pouca gente hoje pode ostentar esse galardão.

Para coroar esta comemoração postamos também um pequeno documentário produzido pelo PDT, partido fundado por Brizola, em homenagem aos 40 anos de do episódio.  Ressaltamos que apesar do vídeo conter o nome do PDT, o Blog Falando de História não possuí nenhum vinculo institucional com esta legenda nem com outras também. Há um posicionamento político, mas sem participação partidária.





Links relacionado:
Entrevista de Lauro Haggemann concedida a FAMECOS/PUC-RS e publicada no site Vozes do Rádio.
Disponível em: http://www.pucrs.br/famecos/vozesrad/lauroh.html

0 comentários:

Postar um comentário