sexta-feira, 20 de abril de 2012

20 de abril de 1999: Jovens mascarados matam 13 em escola nos EUA


Divulgação: Blog Hoje na História

"Temos que acordar para o problema da violência nas escolas. Se isso pode acontecer lá, então as pessoas devem reconhecer que existe a possibilidade de que o mesmo ocorra em qualquer comunidade da América". Presidente Bill Clinton

Jovens mascarados, Eric Harris, 18 anos, e Dylan Klebold, 17 anos, vestindo longos casacos pretos, abriram fogo contra ex-colegas na Columbine High School, escola de segundo grau em Denver, no estado americano do Colorado. Os relatos eram apavorantes. Segundo sobreviventes, os rapazes disparavam contra negros, hispânicos e atletas - que buscavam esconder-se entre mesas e debaixo de carteiras - usando armas automáticas e lançando granadas. A chacina começou na cafeteria da escola, continuou nas escadas e terminou na biblioteca, onde a maioria dos corpos, inclusive os dos assassinos, foi encontrada.


Identificados como jovens típicos do subúrbio americano, de famílias estáveis e queridas pelos vizinhos, os autores da chacina minaram o prédio com explosivos antes de começar a atirar nos colegas. Esta estratégia dificultou o trabalho da polícia que demorou a entrar para socorrer feridos e contar os mortos, que foram 15 (11 homens, entre eles os dois criminosos, e 4 mulheres), e não 25 como inicialmente divulgado. O tremor dessas explosões impediu a documentação da cena do crime e comprometeu a coleta de evidências.

O então presidente Bill Clinton prometeu programas para proteger os jovens da violência, mas não tocou no ponto mais discutido aquela altura: a liberdade quase irrestrita para a posse de armas nos EUA.

O que motivou o crime?
Máfia da Capa Preta. Esta era a comunidade da qual Eric e Dylan eram membros. Não era uma sociedade secreta. Com direito a página na Internet, após o episódio desativada, sentindo-se ridicularizados pelos atletas, remoíam planos de vingança e extravasavam seu ódio na rede. Eric, principal cabeça por trás do ataque, era conhecido ainda por colecionar suásticas e sinistros slogans neonazistas e até dar receitas para a confecção de bombas. Em seu auto-retrato, escreveu: "Mato aqueles de quem não gosto, jogo fora o que não quero e destruo o que odeio". Já Dylan dizia que seu número pessoal era "420", e houve quem associasse a preferência à data de nascimento de Hitler, 20 de abril. Os diários dos jovens foram encontrados. E embora a opinião pública tenha procurado explicações, levantado hipóteses e salientado especulações, nenhuma conclusão sobre o motivo do ataque.

0 comentários:

Postar um comentário