segunda-feira, 13 de junho de 2011

Google lembra o aniversário de nascimento de Fernando Pessoa

O escritor português Fernando António Nogueira Pessoa, mais conhecido como Fernando Pessoa, completaria 123 anos nesta segunda-feira (13/06) se estivesse vivo. O Google homenageia o poeta, um dos principais da da língua portuguesa, com uma ilustração. Fernando Pessoa faleceu em Lisboa, sua cidade natal, em 30 de novembro de 1935, aos 47 anos, de cirrose hepática.



Doodle em comemoração aos 123 anos de Fernando Pessoa


Nascido em Lisboa, Fernando Pessoa foi criado em Durban, na África do Sul, onde viveu dos 6 anos até os 17. Por lá, aprendeu a língua inglesa, a partir da qual traduziria poemas para o português e criaria grande parte de sua produção artística. Deixando a família em Durban, regressa definitivamente à capital portuguesa, sozinho, em 1905.

Continua a produção de poemas em inglês e, em 1906, matricula-se no Curso Superior de Letras (atual Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), que abandona sem sequer completar o primeiro ano. É nesta época que entra em contato com a obra de importantes escritores portugueses, como Cesário Verde e Padre Antônio Vieira.
Heterônimos

Considera-se que a grande criação estética de Pessoa foi a invenção heteronímica que atravessa toda a sua obra. Os heterônimos, diferentemente dos pseudônimos, são personalidades poéticas completas: identidades que, em princípio falsas, se tornam verdadeiras através da sua manifestação artística própria e diversa do autor original. Os três heterônimos de Pessoa eram Álvaro de Campos, Ricardo Rei e Alberto Caeiro.

O heterônimo Ricardo Reis é descrito como um médico que se definia como latinista e monárquico. De certa maneira, simboliza a herança clássica na literatura ocidental, expressa na simetria, na harmonia e num certo bucolismo, com elementos epicuristas e estóicos. O fim inexorável de todos os seres vivos é uma constante na sua obra, clássica, depurada e disciplinada. Faz uso da mitologia não-cristã.

Por sua vez, Caeiro, nascido em Lisboa, teria vivido quase toda a vida como camponês, quase sem estudos formais. Teve apenas a instrução primária, mas é considerado o mestre entre os heterônimos (pelo ortônimo). Também é conhecido como o poeta-filósofo, mas rejeitava este título e pregava uma "não-filosofia". Acreditava que os seres simplesmente são, e nad
Fonte: Ópera Mundi


0 comentários:

Postar um comentário